sexta-feira, 20 de abril de 2007

O Museu Municipal de Portimão

Museu Municipal - Portimão
O Museu Municipal de Portimão está ser instalado na antiga fábrica de conservas da Família Feu.

Finalmente, o Museu Municipal de Portimão parece dar-nos a entender que não demorará muito a ficar concluído. Depois de uma espera de tantos anos, não deixa de ser com satisfação que, nas minhas frequentes passagens à sua beira para "inspecção" da evolução das obras, verifico que vai ficando apresentável.

Não sei para quando está prevista a sua abertura ao público - ou sequer se já estará prevista - mas, exteriormente, dá gosto observá-lo. Por mais que não seja, pelo que representa no concretizar do sonho de muitos portimonenses de verem recuperado um símbolo tão representativo da história da sua cidade.

Museu Municipal - Portimão
O sem-fim que transportava as cestas com o peixe do barco para o interior da fábrica, já é visível.

Há um estúpido ditado antigo - "de Espanha nem bom vento nem bom casamento" - que, de algum modo, representa o divórcio secular entre Portugal e Espanha criado, artificialmente, por gente de má índole. O edifício e, principalmente, a história desta antiga fábrica de conservas desmentem categoricamente tal ideia.

Trata-se de um testemunho inegável. No início do século XX, uma família de espanhóis - (nuestros) "Hernanos Feu" - radicou-se em Portimão e construiu uma fábrica de conservas.

Durante muitas décadas, deu trabalho a muita gente, incluindo milhares de operárias conserveiras, ajudou a desenvolver a indústria de pesca local e levou o nome de Portimão e de Portugal a quase todos os continentes através das suas exportações de conservas. Entre as suas marcas, "La Rose" tornou-se mundialmente famosa.

Museu Municipal - Portimão
A velha chaminé da fábrica, devidamente preservada, é, só por si, um símbolo. Em Portimão, em meados do século XX, existiam dezenas.

Quando a crise chegou, as fábricas de conservas de Portimão morreram de pé como as árvores, mas, devido à grande boa vontade dos descendentes de D. Caetano Feu e da autarquia, foi possível recuperar a Fábrica Hermanos Feu, também conhecida por Fábrica de S. Francisco, como memorial da indústria conserveira da nossa cidade.

O processo foi demorado. Mais do que seria desejável. Valeu-nos que, esporadicamente, o espaço, mesmo sem condições, foi servindo de palco a diversas exposições, que, francamente, agradaram. Lembro-me dos casos da World Press Photo e Alcalar - A Pré-história em Portimão, por exemplo.

Mas, como mais vale tarde do que nunca, a obra vai tomando forma. A expectativa é de que possamos observar uma fábrica de conservas antiga, tal como funcionava, com todas as máquinas e apetrechos originais, e perceber como se fabricavam as conservas de peixe no século passado.

Museu Municipal - Portimão
A arquitectura poderia enquadrar-se melhor no ambiente de uma antiga fábrica de conservas, mas são gostos...

Que o mesmo é dizer que ficaremos a saber mais sobre Portimão e a sua história, inevitavelmente ligada à actividade piscatória e afins e delas quase totalmente dependente até ao surgimento da nova indústria dos nossos dias: o turismo.

Certamente que, no final, terá valido a pena esperar. Pacientemente, como é nossa tradição.

3 comentários:

Maraffaada disse...

Está a ficar, de facto, muito bonito o edifício! Há largos meses que não passo por aí, pelo que fiquei surpreendida pela recuperação da fachada lateral que está linda!
A história das fabricas conserveiras em Portimão é-me muito cara, já que foi numa delas que a minha mãe teve o seu primeiro emprego!
Obrigada por mais este magnífico apontamento!

PTMBlogger disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
PTMBlogger disse...

Eu também acho que está mais bonito; o que é necessário pois o museu é uma parte de Portimão, e também um dos acessos à zona Ribeirinha.